Páginas

domingo, 20 de março de 2016

Lendo Guerra e Paz #4 // Tomo II – 1ª Parte

Olá a todos!
Espero que se encontrem bem!

Hoje venho conversar mais um pouquinho sobre a leitura de Guerra e Paz, desta vez relativamente à 1ª Parte do Tomo II.
Nesta primeira parte aconteceu tanta coisa que acho melhor organizar-me em tópicos.

Vamos lá?

1 ♥ Rostov volta para casa e leva consigo Deníssov que é imediatamente bem acolhido pela família. Neste regresso percebemos que há um ligeiro afastamento entre Nikolai e a sua prima Sónia com a qual este tinha, anteriormente, trocado juras de amor eterno.

– Mas é estranho – disse Vera, aproveitando um momento de silêncio – que Sónia e Nikólenka se tratem agora por «você» e como estranhos.” (p.329)

2 ♥  Passamos entretanto para uma cena, no Clube Inglês onde estão reunidos alguns dos membros habituais bem como alguns convidados – no caso jovens militares – encontrando-se entre eles o Conde Rostov, Nikolai, Dólokhov – oficial do regimento de Semiónovski – e Pierre, que se preparam para realizar um almoço de homenagem ao Príncipe Bagration.
Durante esse almoço começam a circular rumores de que Dólokhov estaria envolvido com Hélène – a esposa de Pierre – e que aparentemente todos saberiam menos ele.

“– Bem, agora à saúde das mulheres bonitas – disse Dólokhov com expressão séria, mas com um sorriso aos cantos da boca, voltando-se para Pierre com a taça. – À saúde das mulheres bonitas, Petrucha, e dos amantes delas – disse.” (p.340)

Perante estas afrontas e determinado a manter a sua honra, Pierre resolve desafiar Dólokhov para um duelo a realizar-se no dia seguinte.
Neste tipo de duelo era comum ter-se um padrinho, sendo que Rostov concordou em ser padrinho de Dólokhov, enquanto Nesvítski, por sua vez, foi padrinho de Pierre.

O duelo decorre em favor de Pierre que consegue atingir – embora não letalmente – Dólokhov.
Rostov leva então o amigo ferido a casa e descobre, para sua grande surpresa que, apesar de todo o aparato frente aos amigos e conhecidos, Dólokhov vive com a sua velha mãe e irmã corcunda, sendo o mais carinhoso filho e irmão.
A partir deste momento a amizade de Rostov com Dólokhov torna-se mais forte, passando este último a frequentar a casa do primeiro.

No seguimento desse duelo Pierre regressa a casa e, confrontando a esposa, percebe que o seu casamento acabou. Para terminar rapidamente com tudo, Pierre acaba por ceder a Hélène grande parte das suas propriedades e parte sozinho para Petersburgo.

3 ♥ Temos aqui mais um corte da narrativa e passamos à casa da família Bolkónski, onde Liza se prepara para dar à luz. Até este ponto ninguém obtivera mais notícias de Andrei, crendo-o morto.

Realizam-se todos os preparativos para o parto, é chamado um médico e entretanto, a parteira Maria Bogdánovna inicia os cuidados necessários.
O parto inicia-se e entretanto apercebem-se que alguém chega ‘pela avenida’. Todos acreditam tratar-se do médico mas, qual é o espanto, quando com ele chega Andrei!
Andrei aproxima-se da esposa e assusta-se ao ler nela uma expressão de desespero.

Eu amo-vos a todos, não fiz mal a ninguém, porque tenho que sofrer? Ajudem-me” (p. 355)

O obstetra e a parteira continuam o seu trabalho – difícil e demorado – que infelizmente não tem um final feliz.

…o médico olhou-o com ar desnorteado e, sem dizer palavra, passou ao lado. Uma mulher saiu a correr e, ao ver o principe Andrei, hesitou no limiar. Ele entrou no quarto da mulher. Ela jazia morta, na mesma posição que que a vira cinco minutos antes…” (p.355)

Três dias depois realiza-se o funeral e Liza e, durante todo o ritual, fica nela presente a mesma expressão – “Ah, o que fizeram vocês comigo” (p.356) – fazendo crescer em Andrei um sentimento de culpa “que não podia emendar nem esquecer”.

Passados cinco dias, o baptizado do pequeno Nikolai Andréitch.

4 ♥ O Outono aproxima-se e regressamos ao núcleo da família Rostov, agora frequentemente acompanhados de Dólokhov e Deníssov.
Enquanto Deníssov continua a ser adorado por todos da família, Dólokhov não consegue conquistar a simpatia de Natacha

Entre os jovens introduzidos por Rostov, um dos primeiros foi Dólokhov, de quem toda a gente em casa gostava, exceto Natacha. Por causa de Dólokhov ela quase se zangou com o irmão. Insistia em que ele era má pessoa…” (p. 358)

Rostov tenta defender o amigo alegando que “…é preciso vê-lo com a mãe, que coração que ele tem!” (idem)

Natacha não se deixa convencer alegando preferir a companhia de Deníssov (“Gosto do teu Deníssov, embora seja pândego e tudo isso, mas eu gosto dele…”) e que, além disso, Dólokhov estaria a aproximar-se de Sónia.

– … E sabes que que ele está apaixonado pela Sónia?
– Que disparate…
– Tenho a certeza, tu vais ver.” (p. 358)

Mais tarde, ao terceiro dia das festas de Natal, Dólokhov pede Sónia em casamento. No entanto, e apesar de ser uma órfã, sem dote, e se encontrar perante um excelente partido, Sónia recusa o pedido, para surpresa de todos e alívio de Rostov.

Entretanto, num baile, Natacha continua a aproximar-se de Deníssov, ficando impressionada com os seus dotes de dançarino.

5 ♥ Humilhado perante a recusa de Sónia, Dólokhov resolve sair da casa dos Rostov.
No entanto, passados três dias, Rostov é convidado por Dólokhov para uma pequena despedida, antes de regressar ao exército.
Quando Rostov chega á ‘festa’ está a decorrer um jogo de cartas, para o qual é convidado a participar.
Apesar das suas reticências em relação ao jogo (“Só os parvos podem jogar à sorte”) Rostov acaba por jogar e, aos poucos, a perder dinheiro para Dólokhov.

É interessante perceber que, conforme Rostov vai perdendo dinheiro, os pensamentos ligados ao amor pela família, e a sensação de ‘como pode isto acontecer comigo?’ voltam a vir-lhe à mente, tal como havia acontecido na batalha de Schöngrabern.

Nesse momento a vida familiar (…) surgia à sua frente com tanta força, clareza e encanto como se isso pertencesse ao passado distante, uma felicidade perdida e não apreciada.” (p. 366)

Não fiz nada de mal. Matei alguém, ou ofendi, ou desejei mal a alguém? Porquê esta terrível desgraça?” (p. 368)

O jogo decorre até Rostov ter perdido, para Dólokhov, a soma de 43.000 rublos. Só neste ponto Rostov se apercebe ter sido vítima de uma vingança, por parte de Dólokhov, pelo facto de este ter sido rejeitado por Sónia.

Ele sabe o que esta perda significa para mim – dizia a si próprio – Como pode desejar a minha perdição? Se ele era meu amigo. Se eu gostava dele…” (p. 368)

– Ouve, Rostov – disse Dólokhov, sorrindo claramente e fitando Nikolai nos olhos –, tu conheces o ditado: «Sorte ao amor, azar às cartas.» A tua prima está apaixonada por ti. Eu sei.” (p. 369)

6 ♥ Rostov regressa a casa, onde reina uma ‘atmosfera amorosa e poética’ e onde todos se sentem felizes, assistindo Deníssov e Natacha a cantar e a dançar.

Rostov mantem-se taciturno e procura conselho com o seu pai que, apesar de ter dificuldade em fornecer tão avultada quantia, acaba por ajudar o filho.

Paralelamente, Deníssov pede a mão de Natacha em casamento. A jovem, não cabendo em entusiasmo, vai contar à sua mãe. Natacha é, no entanto, chamada à razão pela sua mãe e percebe que é demasiado nova para se casar, declinando assim o pedido.

Esta primeira parte termina então, com Rostov a saldar a sua dívida e a partir para a Polónia, ao encontro do seu regimento.


E foi isto!
Cheia de reviravoltas esta parte, não acharam?

Apesar de não ser muito longa em número de páginas (cerca de 50 páginas), achei que esta primeira parte foi interessante para nos mostrar 'a quantas andam' os personagens da história.
Os capítulos desenrolam-se como se em cenas de novela (cada capítulo referindo-se a um núcleo de personagens, ou a um assunto), encandeando-se uns nos outros.

Estou muito curiosa para dar continuidade à leitura que, apesar da falta de tempo, vai-se desenrolando aos poucos.

Não se esqueçam de deixar o vosso comentário!
Um grande Beijinho e até à próxima!


Não se esqueçam de acompanhar o blog nas Redes Sociais

Para ficarem a par das minhas leituras não se esqueçam de me acompanhar também no
Goodreads 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixa o teu comentário! Vou gostar de saber a tua opinião! ❤